Gestão por Comportamento: um dos grandes desafios do RH

Tempo de leitura: 5 minutos

A área de Recursos Humanos, ao longo das últimas décadas, tem passado por transformações intensas. Desde a década de 1950, os avanços provocados pela interação entre o mercado global, com a criação de novas empresas, com a fusão de multinacionais, com a intensificação do mercado, muito tem sido exigido do capital humano e da área responsável pela administração de pessoal.

O mercado global torna-se cada vez mais competitivo, e isso exige que os administradores e executivos tenham a noção correta das exigências de cada empresa, além, evidentemente, do lucro necessário, oferecendo produtos e serviços que possam atender devidamente o cliente.

Diante de tantas transformações, é preciso compreender melhor o comportamento dos profissionais que estão envolvidos com toda e qualquer atividade dentro das empresas, já que o mercado globalizado propicia um novo comportamento, exigindo sempre mais, fazendo com isso que os profissionais sejam mais qualificados, que saibam lidar com todas as situações e que consigam interagir de forma adequada, seja com os fornecedores, com os parceiros ou com os clientes.

As organizações, desta maneira, precisam acompanhar o desenvolvimento do mercado e as transformações ocorridas. O dinamismo, a inovação e a criatividade, agora, são essenciais para que as organizações consigam manter a competitividade e sobrevivam no meio de uma concorrência cada vez mais intensa. Não só recrutar corretamente como desenvolver as pessoas na empresa é crucial.

Essa mudança de comportamento e de postura faz com que o desenvolvimento das organizações consiga se adaptar e essa adaptação está diretamente ligada à Gestão do Comportamento Humano, acompanhando as transformações nas organizações e no próprio mercado. O modelo burocrático e centralizador, antes uma necessidade empresarial, deve deixar o seu lugar no palco das organizações para entrar um novo personagem, com uma visão holística, inovadora, alterando as estratégias de interação com o ambiente e com as pessoas de forma geral.

O desafio para enfrentar as mudanças

Para buscar continuamente a melhoria do desempenho, alguns pontos precisam ser colocados em prática, principalmente com uma visão voltada para o comprometimento dos profissionais e a alteração do senso de propriedade das empresas, alicerçando o futuro da organização.

É exatamente aqui que a área de Recursos Humanos encontra o seu maior desafio: é preciso encontrar meios de transformar a administração antes centralizadora numa administração estratégica, com o trabalho voltado para o potencial do capital humano que a empresa possui, relacionando metas e recursos necessários para o seu alcance. Essa organização estratégica deve estar sempre se reinventando, criando novos passos, estabelecendo novos desafios para impulsionar o crescimento da empresa.

A administração de Recursos Humanos, para trabalhar e vencer esse grande desafio, deve fomentar a aproximação da psicologia com a administração empresarial, criando uma nova visão sobre as possibilidades potenciais de cada membro da organização, de cada colaborador, para que ele tenha condições de intervir e de inovar, de ele próprio, como parte do capital humano, tenha a consciência voltada para o empreendimento, sabendo que faz parte integrante desse capital e lutando por ele como parte fundamental.

Para trabalhar essa nova visão de administração, o foco deve estar nas pessoas, e não necessariamente no custo e nos resultados. O comportamento de cada um é que irão apresentar as melhores nos índices apresentados.

Enquanto nas décadas de 1930 e 1940 os processos de administração de pessoal deram início às mudanças com os instrumentos de avaliação, os meios utilizados ainda eram voltados para a obtenção de resultados através da medição de resultados trazidos por um grupo de trabalhadores que não era considerado como capital humano, mas sim como empregados. Essa situação, através dos anos, foi sendo alterada e a visão da psicologia no mundo empresarial propiciou uma evolução que, aos poucos, foi trazendo os trabalhadores para a condição de colaboradores.

Num determinado momento da história, os colaboradores acabaram se transformando em capital humano empresarial, com os administradores de Recursos Humanos fazendo ver que uma nova fase se iniciava, segundo outros padrões de comportamento. E foi exatamente nos padrões de comportamento que surgiram as principais bases do gerenciamento de recursos humanos, tendo como foco principal o comportamento de cada integrante do capital humano para trazer os resultados esperados pela organização.

Analisar e incentivar as alterações no comportamento como forma de crescer

A área de Recursos Humanos, quando investe nessa Gestão do Comportamento Humano, reconhece a importância do papel de cada integrante do capital humano da empresa, sendo esta sua principal preocupação na gestão dos recursos humanos empresariais.

O foco dos Recursos Humanos, agora, deve se concentrar no treinamento gerencial de cada um dos integrantes, nas relações interpessoais entre os membros de cada equipe e num processo que estimule a autoavaliação, com a consequente geração de estímulo ao próprio desenvolvimento, criando novas formas de gerenciar as atividades: cada um dos integrantes do capital humano, agora, torna-se seu próprio gerente e responsável, estabelece metas em consonância com o que a empresa busca para seu futuro e criam um novo modelo de trabalhador, com mais motivação e liderança.

A visão anterior de gestão de recursos humanos, através dessa nova gestão de comportamento mostra, finalmente, que o trabalho humano é , efetivamente, o principal ativo de uma organização.

Conheça o Solides Gestão e veja como ele pode te ajudar na construção de um RH muito mais eficiente e eficaz.

resultados-cta-blog

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of