5 dicas para justificar o orçamento de RH para a diretoria

Tempo de leitura: 5 minutos

Juntamente com sua equipe, você construiu um orçamento de RH bem consolidado para o próximo ano e agora é hora de apresentá-lo para que a diretoria aprove o planejamento. Mas a tendência dos gestores é de encarar o RH como um setor que apenas gera gastos, sem ter clareza do quanto os investimentos em gestão de pessoas trazem retorno para o negócio.

Assim, além de elaborar, é sua tarefa justificar o orçamento para os diretores. Vamos entender como explicar os investimentos, mostrar sua importância e ser convincente?

1 – Mostre seu conhecimento sobre a estratégia da empresa

Já sabemos que um orçamento de RH só estará realmente bem feito se for alinhado aos objetivos estratégicos da empresa. Não faz sentido que o setor de gestão de pessoas planeje suas ações isoladamente, sem ter o intuito primordial de contribuir para o alcance das metas organizacionais.

Então, na hora de justificar o orçamento, é essencial deixar muito claro o seu entendimento sobre o planejamento estratégico da organização. Os diretores não são especialistas em RH e precisam ver o sentido global de cada projeto proposto para entender sua importância. Por isso, saiba todos os objetivos da empresa, inclusive os que não são relacionados diretamente ao RH, e use a estratégia em sua linguagem e argumentos.

https://drive.google.com/file/d/1N-Hh7HWo8yWcyp0VtLm5Yk1qenYYebi-/view?usp=sharing

Por exemplo, se a empresa tem um objetivo financeiro de duplicar a sua receita no próximo ano, é importante que o RH saiba quais são os caminhos planejados para que a meta seja atingida. Provavelmente, essa projeção financeira envolverá, entre outras estratégias, o aumento do quadro de colaboradores e, por consequência, afetará as tarefas de recrutamento e seleção. Assim, esse objetivo financeiro pode ser uma ótima maneira de justificar um projeto de contratar um sistema de RH que agilize os processos seletivos.

2 – Pense como um empreendedor

Como já mencionamos, os diretores não dominam os processos de RH e nem conhecem a fundo sua relevância. Por mais que você já saiba, por estudo e experiência, a importância de rodar periodicamente uma pesquisa de clima, acompanhar o desempenho e fazer ações de endomarketing, por exemplo, para a diretoria o raciocínio pode não ser tão óbvio.

Entenda que, como responsáveis principais pelo negócio, diretores pensam no crescimento financeiro da organização. Tente redirecionar o seu pensamento e se colocar no lugar de quem responde pelos resultados da empresa. Isso provavelmente vai significar falar em linguagem numérica sobre todos os seus projetos.

É importante fazer projeções de quanto de retorno cada ação planejada pode gerar em dinheiro, seja gerando lucro diretamente ou evitando gastos, o que costuma ser o caso dos projetos de RH. Muitas ações de gestão de pessoas, por exemplo, focam na motivação dos colaboradores e ajudam a evitar os enormes custos com rotatividade.

Portanto, pense nos impactos financeiros que a realização ou ausência dos projetos do orçamento de RH podem trazer e converse sobre esses cenários com os diretores. Essa é a linguagem dos gestores.

3 – Mostre resultados

Ao justificar um orçamento de RH, os indicadores da área são um dos melhores argumentos a serem apresentados. Tenha todos os resultados do ano anterior à mão e, se possível, até um histórico mais longo que ajude a traduzir as necessidades do RH.

O uso dos indicadores serve tanto para mostrar o que deu certo e vale a pena ser mantido, quanto para diagnosticar focos de investimento. Por exemplo, se no ano atual foi feito determinado investimento em treinamentos externos e, nas avaliações de reação, os colaboradores indicam que os conteúdos foram relevantes para o cotidiano de trabalho, faz sentido pelo menos manter o mesmo valor no planejamento. Por outro lado, um indicador de alta rotatividade em um setor específico ajuda a justificar o orçamento para projetos de desenvolvimento de liderança e de motivação dos colaboradores.

4 – Estude e tenha referências

Pode ser que os diretores queiram saber mais sobre algum assunto de gestão de pessoas ou entender se outras empresas do setor realizam determinadas ações. Assim, você deve estar atualizado sobre as tendências do mercado, dar exemplos e saber indicar boas referências de estudo, caso sejam necessárias.

Se você tem, hipoteticamente, 30 dias como o tempo médio para fechamento de vagas e percebe que outras empresas do mesmo setor mantém sua média em 15 dias, a comparação é uma justificativa interessante para projetos com esse foco. Também pode acontecer de você propor, por exemplo, o investimento em Gestão Comportamental e os gestores não estarem familiarizados com o conceito. Assim, é estratégico ter boas referências de leitura, cases e outros conteúdos para embasar novas ideias.

5 – Estabeleça níveis de prioridade no orçamento de RH

Desde o momento do planejamento, pense em seus projetos conforme seus níveis de prioridade. Saiba quais são inegociáveis e o que pode ser descartado ou pensado mais a longo prazo. É importante saber do que se pode abrir mão, porque os gestores provavelmente vão querer negociar alguns pontos do orçamento de RH.

Muitas vezes, vamos com a ideia de que todo o planejamento é importante em conjunto (e  faz sentido), mas para justificar seu orçamento, a flexibilidade é fundamental. Assim como você espera essa postura dos seus gestores, saiba também ouvir os argumentos e escolher os principais focos de investimento, caso seja necessário.

Elaborar um orçamento de RH e convencer a diretoria a incentivar os projetos dessa área são as etapas iniciais para alavancar o seu departamento. Quer continuar esse movimento, atuando de forma estratégica no setor? Confira o nosso ebook!


Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of