Adequação à LGPD no Recrutamento e Seleção: Saiba se preparar

Tempo de leitura: 5 minutos

Os processos do RH passaram por uma transformação com a implementação da tecnologia. A inteligência artificial, o Big Data, o machine learning e a automação revolucionaram a coleta, o armazenamento e o tratamento de dados. A Lei Geral de Proteção de Dados, portanto, é uma temática que pode preocupar muitos recrutadores e entender o impacto da LGPD no recrutamento e seleção é fundamental.

Além de coletar informações referentes as hard skills dos concorrentes, o recrutamento eficaz também levanta dados referentes ao perfil comportamental. Após uma análise apurada, relacionando os candidatos com a vaga disponível, é possível tomar uma decisão mais coerente, aumentando as chances da adaptação do novo colaborador na empresa.

Desde a aprovação, a relação entre a LGPD e o RH trouxe muitos questionamentos. Se você é um dos profissionais que ainda não entendeu o impacto da legislação no processo de recrutamento e seleção, continue a leitura. Nesse post explicaremos alguns cuidados a serem tomados!

As obrigações legais da LGPD

O primeiro passo para os profissionais de RH é conseguir entender o que é a LGPD e as mudanças que ela propõe para todas os setores organizacionais. Aprovada em 2018, a Lei de Dados é uma norma criada para garantir a proteção dos dados pessoais. As empresas — públicas e privadas — têm até maio de 2021 para realizarem e formalizarem processos que garantam a proteção das informações coletadas.

https://drive.google.com/file/d/1N-Hh7HWo8yWcyp0VtLm5Yk1qenYYebi-/view?usp=sharing

A organização está autorizada pela LGPD a utilizar os dados pessoais de seus colaboradores e fornecedores para execução de contratos, principalmente, àqueles que garantam benefícios para os funcionários. Deve-se ter cautela nos procedimentos para que a lei seja aplicada corretamente, independente do processo (recrutamento e seleção, após a efetivação e o desligamento).

Com a Lei é garantida à pessoa titular das informações o domínio e a posse desses dados. Ou seja, ela pode requerer para a empresa a qualquer momento a exclusão dos dados cadastrais, como nome, idade, formação acadêmica etc.

Os cuidados da LGPD no recrutamento e seleção

É fundamental que os candidatos expressem o consentimento de oferecer os seus dados para a empresa, permitindo a utilização e o armazenamento. As informações contidas no currículo e durante todo os processos também precisam ser disponibilizados pelos titulares mediante a possibilidade de seguir guardadas em um Banco de Talentos.

Sem o consentimento de armazenar os dados, a empresa deverá excluir as informações dos candidatos que não forem contratados. É aconselhável indicar para o colaborador contratado a assinatura de um contrato que explicite que a empresa pode utilizar e armazenar os dados pessoais.

O uso de dados dos colaboradores para questões empregatícias não exigem o consentimento. Informações cedidas pelo Ministério do Trabalho, INSS, Caixa Econômica Federal, CAGED, RAIS, eSocial e afins são garantidos e protegidos pela LGPD.

Após o término do vínculo empregatício, orienta-se a exclusão de todos os dados pessoais que não sejam obrigatórios de serem armazenados. Dessa forma, a empresa se resguarda sobre qualquer eventual falha ou vazamento.

Como fica o uso dos currículos?

Você pode estar se perguntando: a implementação da LGPD será o fim da captação de currículos? Não necessariamente. Como vimos, o foco principal da Lei de Proteção de Dados é garantir e fortalecer a posse dos dados pessoais.

Nesse cenário, a prática da captação e geração de banco de currículos precisam ser aprimoradas. As empresas que ainda contam com RH tradicionais e costumam arquivar documentos em papeis para fazer a análise de recrutamento podem sofrer mais com a LGPD.

Afinal, é comum que aconteça a perca de documentos em papeis de candidatos que não são selecionados para próximas etapas em determinados processos. Dessa forma, podem acontecer vazamentos e outras formas de lesar a proteção de dados.

Além disso, quando uma empresa recebe o currículo de um candidato por um documento impresso ou encaminhado por e-mail não há uma expressa autorização do proprietário de dados para a forma como serão usadas as informações.

A automatização desse processo, portanto, surge não apenas como uma alternativa para otimizar o recrutamento e seleção, mas como uma garantia de proteção de dados.

O Sólides Jobs e a LGPD

Para garantir a proteção de dados e o direito de propriedade dos candidatos de seus dados pessoais, o Sólides Jobs é uma ferramenta pensada e articulada com máxima adequação à Lei de Proteção de Dados.

Os candidatos precisam assinar o acordo das Normas Gerais, que garante às empresas o armazenamento e o manipulação dos dados de cada um deles. Ao assinar o “Li e concordo”, a pessoa que está se candidatando para determinada vaga afirma estar ciente de que a organização fará uso de seus dados para determinados fins.

Além disso, toda informação é armazenada dentro do banco de dados do Sólides Gestão. Quando for necessário, o RH poderá deletar os dados e, dessa forma, não estará descumprindo as normas estipuladas pela LGPD.

O software de Gestão de RH da Sólides, portanto, torna-se uma ferramenta para conseguir garantir a segurança dos dados da organização. Todos os candidatos estão protegidos e podem solicitar o desuso de seus dados pessoais a qualquer momento.

A proteção de dados garante que a empresa atue integralmente para garantir que as informações não sejam vazadas ou fornecidas de forma inadequada. Os cuidados exigidos pela LGPD no recrutamento e seleção garantem que não haja exposição dos candidatos de forma indevida ou inadequada.

Se você quer evoluir o seu RH — garantindo-se às bases legais estipuladas pela LGPD — aproveite e fale com um nossos especialista!

Banner_LGPD
0 0 vote
Article Rating


Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments