8 formas do RH contribuir para inteligência emocional no trabalho

RH promove inteligência emocional no trabalho ao desenvolver habilidades socioemocionais, fortalecendo relações, resiliência e eficácia
BAIXE GRÁTIS!

Aqui você encontra:

Inteligência emocional no trabalho é um tema bastante valorizado no universo corporativo. Especialmente entre profissionais de Recursos Humanos. Afinal, trata-se de uma habilidade capaz de interferir no comportamento dos profissionais e nas relações entre as equipes. 

Neste conteúdo mostraremos como funciona a inteligência emocional no trabalho, porque ela é importante e qual é, de fato, o papel do RH para desenvolver essa competência. Boa leitura!

O que é inteligência emocional no trabalho?

Inteligência emocional é a capacidade que um indivíduo tem em se adaptar ao ambiente para garantir a sobrevivência. Pessoas com essa habilidade conseguem identificar os próprios sentimentos e administrá-los com eficiência.

Esse conceito foi apresentado pelo jornalista e psicólogo Daniel Goleman, considerado o pai da Inteligência Emocional. Para chegar a essa definição, Goleman estudou a Teoria da Evolução das Espécies, de Charles Darwin. Os estudos do naturalista inglês defendem que a adaptação ao ambiente é crucial para a sobrevivência.

Para simplificar a compreensão, Daniel Goleman divide o conceito de inteligência emocional em cinco habilidades:

  1. Autoconhecimento: capacidade de identificar as próprias emoções e sentimentos;
  2. Reconhecimento das emoções do outro: ter empatia para entender o que o outro está sentindo;
  3. Controle emocional: administrar os sentimentos para adequá-los à cada situação;
  4. Automotivação: habilidade para direcionar as emoções e concretizar realizações pessoais;
  5. Relacionamentos interpessoais: saber interagir com outras pessoas utilizando competências sociais. 
15 habilidades profissionais do futuro segundo o fórum econômico mundial

Por que é importante pensar sobre inteligência emocional no trabalho?

Está comprovado que relacionamentos interpessoais construtivos e interações saudáveis no trabalho interferem positivamente no clima organizacional. 

Inclusive, um estudo realizado pela TalentSmart afirma que a Inteligência Emocional tem impacto no desempenho profissional. Segundo a empresa, o ganho é de 58%. 

Considerando que as exigências do mercado cobram capacidade de se relacionar e se comunicar bem, independente do ambiente, da circunstância ou do obstáculo. Sendo assim, como soft skill, a inteligência emocional se destaca como essencial. 

Inteligência emocional e Soft Skills: como uma ajuda a outra?

Ela permite gerenciar sentimentos e administrar conflitos, enfrentando com tranquilidade os percalços cotidianos. Profissionais com essa habilidade conseguem administrar frustrações e aprender com as experiências malsucedidas. Além de aumentar a autoconfiança, a inteligência emocional é essencial para o sucesso na vida profissional e pessoal. 

Como competência comportamental, a inteligência emocional contribui para aumentar a motivação dos colaboradores, estabelecendo equilíbrio emocional entre os times e, consequentemente, aumentando a produtividade. 

Em condições favoráveis no trabalho, o profissional consegue lidar melhor com o estresse e a pressão, evitando desenvolver problemas de saúde mental, entre eles, a Síndrome de Burnout e outras doenças psicossomáticas. 

Baixe grátis!

Resumo com os benefícios de investir em inteligência emocional no trabalho

  • Aumento da produtividade: Colaboradores com inteligência emocional elevada são mais capazes de lidar com o estresse e a pressão, o que pode levar a um aumento da produtividade.
  • Melhoria do relacionamento interpessoal: Colaboradores com inteligência emocional são mais capazes de entender e se relacionar com os colegas de trabalho, o que pode levar a um clima organizacional mais positivo.
    Redução do turnover: Colaboradores com inteligência emocional são mais propensos a se sentirem satisfeitos e motivados no trabalho, o que pode levar a uma redução do turnover.

Qual o papel do RH na promoção da inteligência emocional?

O departamento de Recursos Humanos cuida das pessoas em uma empresa. O setor é responsável por implementar e conduzir processos que promovam o crescimento profissional dos colaboradores.

Nesse sentido, desenvolver a inteligência emocional no ambiente de trabalho também é uma função do RH. A Gestão de Pessoas cuida do clima organizacional e monitora o engajamento das equipes. 

Em última análise, o RH acompanha a satisfação e o bem-estar dos colaboradores, usando ferramentas e técnicas para alcançar resultados. 

Como o RH pode promover o desenvolvimento da inteligência emocional?

A inteligência emocional se desenvolve a partir da primeira habilidade citada por Daniel Goleman: o autoconhecimento. Conhecer-se é fundamental para tomar decisões assertivas e conscientes. 

Autoconhecer-se exige uma investigação individual para identificar características marcantes. Entre elas, preferências, padrões de comportamento, sentimentos, inclinações e opiniões. Confira oito dicas para desenvolver a inteligência emocional.

1. Praticar a autoconsciência

Analisar cada situação com maturidade é uma forma de reconhecer e compreender os próprios sentimentos. O analista de RH deve motivar os colaboradores a praticarem a autoconsciência, orientando-os a se tornarem objeto da própria atenção.

Como estratégia comportamental, a autoconsciência é o caminho mais rápido para alcançar a inteligência emocional. Dessa forma é possível antecipar problemas individuais e da equipe para encontrar soluções com agilidade. 

➡️Conheça o Profiler uma ferramenta completa e prática para desenvolver autoconhecimento

2. Gerenciar emoções negativas

Durante o trabalho, os colaboradores vivenciam emoções negativas em diversas situações. Pressão com entregas, cobranças por prazos, frustrações por projetos que deram errado. Por isso, os profissionais são levados a adotar uma postura defensiva, muitas vezes tornando o clima organizacional pesado. 

Neutralizar as emoções negativas, entender suas razões e os danos que causam às relações interpessoais é mais fácil com auxílio do RH. 

Saúde Emocional dos Colaboradores: Cuide do maior patrimônio da empresa

3. Ser estratégico

Atitudes impulsivas atrapalham o desenvolvimento da inteligência emocional. Por isso, a Gestão de Pessoas pode ajudar os colaboradores a terem controle sobre decisões precipitadas. 

Orientá-lo a agir com estratégia é um desafio, mas traz resultados. Principalmente quando as ações são pensadas e executadas conforme a cultura da empresa.

4. Usar técnicas persuasivas

A persuasão é uma habilidade essencial para administrar as emoções do outro com maestria. Quando o gestor de pessoas consegue dominar sentimentos em uma negociação, fica mais fácil conduzi-la a um desfecho favorável. 

Entretanto, persuadir não significa manipular. Por isso, é preciso utilizar argumentos capazes de convencer o colaborador, sempre considerando suas necessidades emocionais. A melhor alternativa sempre será firmar acordos satisfatórios para todos os envolvidos.

5. Ter empatia

Entender as emoções do outro é possível quando desenvolvemos a empatia, percebendo angústias, ressentimentos, intenções e desejos. Para isso é necessário ter um olhar atento e compreensivo. O RH Humanizado atende o colaborador para além das relações meramente profissionais.

Esse tipo de gestão procura ver os indivíduos com altruísmo, considerando suas dificuldades, necessidades e sonhos, tornando a conexão entre empresa e empregado mais próxima. 

6. Ouvir com atenção

Da mesma forma, a escuta humanizada facilita o entendimento intenso das emoções do outro. Como gestor de pessoas, ser um bom ouvinte é uma qualidade bastante apreciada pela empresa, pelos gestores e equipes. Saber escutar torna o gerenciamento de conflitos mais fácil. 

➡️ Descubra como lidar com conflitos no trabalho e manter um ambiente saudável

7. Dar feedbacks

Oferecer respostas e apresentar avaliações constantes são atitudes fundamentais que não podem ser dispensadas pelo RH. Os feedbacks diminuem a ocorrência de erros e afastam maus comportamentos, preservando o clima organizacional. 

Vale lembrar que as lideranças podem dar suporte para o setor de RH preparar feedbacks relevantes e conectados com a realidade. Os gestores devem estar preparados para conduzir conversas construtivas com as equipes. 

8. Fortalecer a comunicação interna

Quando a comunicação interna é eficiente, transparente e objetiva, o terreno é fértil para a inteligência emocional. Por isso, a Gestão de Pessoas deve investir nessa estratégia, fazendo da comunicação um pilar para um ambiente diverso e plural. Melhor ainda quando ela é horizontalizada, sem barreiras hierárquicas.

A comunicação interna, quando bem feita, evita conflitos e contribui para que os colaboradores possam lidar melhor com imprevistos. 

A partir desses passos podemos afirmar que a inteligência emocional está baseada em quatro pilares: 

  • Reconhecimento: capacidade de distinguir emoções a partir da linguagem verbal e não verbal. 
  • Aplicação: está relacionada à administração de emoções nas ações cotidianas, prezando pela comunicação clara e assertiva. 
  • Entendimento: permite identificar emoções que causam variações de humor, evitando-as quando possível. 
  • Coordenação: é a gestão das próprias emoções e emoções da equipe. 

Por fim, diante da importância de desenvolver a inteligência emocional no trabalho, considere que a falta dessa competência terá reflexo negativo no bem-estar dos profissionais. Além de afetar a produtividade, o engajamento e a motivação. O resultado desse cenário é a queda nos resultados da organização.

Lembre-se que o papel do RH nesse contexto é preparar os colaboradores para administrar suas próprias emoções, sempre oferecendo suporte diante das dificuldades. A consequência será um ambiente de trabalho saudável e profissionais muito mais capacitados para desenvolverem suas carreiras. Aproveite para conhecer dicas para gerenciar o comportamento dos colaboradores e leve seus conhecimentos sobre RH a outro patamar.

Picture of Sabrina Siqueira
Sabrina Siqueira
Sou apaixonada por Gestão de Pessoas desde sempre! Me tornei especialista em Gestão Comportamental, cursei administração com Ênfase em Comercio exterior (UNA), fiz Pós Graduação em Gestão Comercial e Vendas. Atualmente também sou facilitadora da Formação Analista Comportamental Profiler e Sales Enablement do time de New MRR da Sólides
Compartilhe:

Você também vai gostar!

Rolar para cima