8 dicas para evitar o esgotamento profissional em meio a pressão

Tempo de leitura: 9 minutos

Sem tempo para ler sobre esgotamento profissional? Dê play no áudio abaixo para ouvir o conteúdo!

Como você se sente depois de um dia de trabalho? Exaustão muscular e emocional, cansaço excessivo e dor de cabeça são alguns dos sintomas que podem surgir na sua rotina, principalmente quando ela exige muito da pessoa. Ficar cansado após trabalhar é algo natural, porém, é preciso saber evitar o esgotamento profissional em meio à pressão do mundo corporativo.

O cansaço excessivo é resultado de uma jornada de trabalho desgastante e cumulativa, que impede a recuperação diária do organismo. Ser um profissional produtivo é algo gratificante e saudável, porém, a mente e o corpo precisam de um equilíbrio para que não entrem em colapso.

https://drive.google.com/file/d/1N-Hh7HWo8yWcyp0VtLm5Yk1qenYYebi-/view?usp=sharing

Se os sintomas descritos fazem parte do seu dia a dia ou da rotina de seus colaboradores, cuidado! Durante esta leitura você entenderá, com mais detalhes, o que é exatamente o esgotamento profissional, aprenderá 8 dicas para evitá-lo e, por fim, saberá porque o RH deve dar importância a essa questão e cuidar da saúde mental de seus profissionais. Acompanhe!

O que é esgotamento profissional?

Muito conhecido como a Síndrome de Burnout, o esgotamento profissional foi descrito pela primeira vez em 1974, pelo médico americano Herbert J. Freudenberger. Após trabalhar por mais de 14 horas seguidas, ele constatou a síndrome em si mesmo, indicando que esse cansaço excessivo estava associado a um estado de estresse crônico, elevado em combinação com a depressão. 

Ainda, tudo isso seria provocado por condições de trabalho físicas, emocionais e psicológicas desgastantes. Em inglês, o termo Burnout é definido como aquilo que deixou de funcionar por total falta de energia, ou seja, algo que chegou ao seu limite.

Uma pesquisa realizada em 9 países pela International Stress Management Association (ISMA), revela que a Síndrome de Burnout tem afetado mais de 33 milhões de brasileiros, o que equivale a cerca de 30% dos trabalhadores, sendo que esse número pode variar entre 25% a 54% dos profissionais que já sofreram ou estão sofrendo com essa síndrome no mundo. Dentre os sintomas estão:

  • absenteísmo e presenteísmo;
  • isolamento;
  • irritabilidade;
  • mudanças bruscas de humor;
  • lapsos de memória;
  • ansiedade;
  • agressividade;
  • dificuldade de concentração;
  • baixa autoestima;
  • pessimismo;
  • depressão.

Como o mercado de trabalho se encontra cada vez mais competitivo, as empresas tendem a cobrar mais o bom desempenho de seus colaboradores, o que pode desencadear em prejuízos graves na saúde da equipe. 

Os sinais da Síndrome de Burnout nem sempre são fáceis de detectar, pelo fato de que se assemelham aos sintomas de depressão ou de um quadro de estresse. Por isso, o profissional de RH deve sempre estar atento aos seus líderes e ao seu time, adotando medidas protetivas na empresa.

Um indicador do desencadeamento do esgotamento profissional é que, a partir de 2022, a Síndrome de Burnout será caracterizada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como um fenômeno ocupacional. A decisão reconhece que, caso as empresas não saibam administrar o estresse crônico dos colaboradores, é bem possível que outras doenças sejam desenvolvidas. 

Logo, é importante ter em mente que o melhor tratamento para evitar o esgotamento profissional em meio à pressão é a prevenção. Veja a seguir as 8 dicas que irão melhorar a sua qualidade de vida e de seus colaboradores!

1. Aprenda a delegar tarefas

A agenda dos integrantes da equipe deve ser desenvolvida com muito cuidado para que não ocorra descumprimento de prazos, desmotivação por parte do time e até o esgotamento profissional. É preciso conhecer cada colaborador e delegar tarefas de acordo com seu perfil comportamental.

Ainda, é essencial ser claro em suas orientações ao definir prazos. É papel do RH oferecer suporte aos gestores e líderes, para que eles possam auxiliar suas equipes em alcançar os objetivos da empresa com equilíbrio na distribuição das atividades.

2. Faça a gestão do seu tempo

A Síndrome de Burnout também pode ser evitada por meio de uma boa administração do seu tempo. Desse modo, organize a sua rotina para conseguir realizar as tarefas estratégicas da empresa, sempre de forma otimizada. Liste os seus compromissos e diferencie o que é urgente de importante.

Para tanto, use ferramentas de organização e execute uma tarefa de cada vez, sempre buscando manter uma rotina.

3. Evite o perfeccionismo

O perfeccionismo pode levar à frustração. A mania de organização, a dedicação extrema às tarefas e o desejo de ver tudo sempre impecável e perfeito podem esgotar você profissionalmente. Para mudar esse pensamento, é preciso trabalhar constantemente a mente. Em vez de olhar os detalhes, experimente admirar o todo.

Entenda que as pessoas são diferentes e elas podem apresentar resultados distintos para o mesmo propósito. Então, estabeleça um padrão de qualidade e seja mais tolerante consigo e com os demais.

4. Separe um tempo para si

Por mais que os desafios da empresa devam ser resolvidos, o dia tem 24 horas e uma parte dele precisa ser dedicada a você. Depois de um dia longo de trabalho, o corpo necessita de uma pausa para descansar. Praticar atividades físicas, estudar ou adotar um passatempo são modos de relaxar o organismo.

Outro ponto importante é a qualidade do seu sono. Logo, durma a quantidade necessária de horas para que a sua mente e o seu corpo estejam sempre dispostos.

5. Fique atento aos causadores de estresse

Mantenha a atenção em tudo que pode estressar você no ambiente empresarial para que esses fatores sejam minimizados: um líder exigente, colegas de equipe com pensamentos e falas negativas ou, até mesmo, tarefas em que não se sinta engajado. 

É preciso se conscientizar de que o maior prejudicado é o seu organismo. Essa percepção irá colaborar para que você conserve uma postura adequada no ambiente corporativo e seja um profissional eficiente.

6. Melhore a comunicação interna

A empresa deve sempre estar preparada para qualquer tipo de conversa com seus profissionais, estabelecendo uma relação de confiança. Manter uma comunicação clara e constante entre gestores, líderes e colaboradores é essencial para a saúde mental de todos. Isso porque o diálogo faz com que exista um alinhamento de expectativas em relação ao seu trabalho e também para que a empresa mostre o que espera de você. 

Além disso, por meio de diálogos rotineiros, o colaborador se sentirá mais confortável para tocar em assuntos muitas vezes difíceis, como tarefas em que se sente desmotivado ou pressionado, além de incômodos relacionados a colegas de equipe, evitando conflitos

Avaliação de desempenho e pesquisa de clima organizacional também são ferramentas que ajudam na identificação sobre o que os colaboradores anseiam na empresa, podendo auxiliar na prevenção do esgotamento profissional.

7. Invista em espaços de relaxamento

Imagine a satisfação de um colaborador que pode descansar em um local reservado após o almoço? Poder tirar um cochilo, navegar na internet ou ouvir música, são práticas que trarão relaxamento para o seu colaborador, aumentando sua qualidade de vida e, por consequência, sua produtividade e engajamento.

Portanto, não deixe de investir em sala de descanso, biblioteca e espaço de lazer com jogos, por exemplo. Esse tipo de atitude mostrará que sua empresa é inovadora e, ao melhorar o clima organizacional, atrairá a atenção dos melhores profissionais para a sua organização.

8. Ofereça terapias

Terapias, como ioga, meditação, acupuntura e shiatsu, podem contribuir de maneira extremamente eficaz no combate ao esgotamento profissional. Oferecer atendimento psicológico com terapias breves também fará que seu colaborador se sinta acolhido dentro da empresa. 

Tudo isso pode ser feito dentro da própria organização ou em parcerias com clínicas e faculdades, por exemplo. Caso algum colaborador manifeste problemas mais sérios de esgotamento, não deixe de oferecer todo suporte necessário, deixando claro que a empresa se importa com ele como pessoa.

Banner_Flexibilizacao_do_Trabalho

Por que o RH deve se preocupar com o esgotamento profissional?

O ambiente corporativo nem sempre é fácil, não é? Os prazos, as metas e os desafios que fazem parte do cotidiano podem tirar os colaboradores do sério e despertar o estresse, em uma resposta fisiológica, psicológica e comportamental.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), revelam que, globalmente, mais de 300 milhões de pessoas sofrem com depressão e 260 milhões vivem com transtornos de ansiedade. De acordo com a instituição, esses dois distúrbios causam à economia US$ 1 trilhão ao ano em perda de produtividade.

Já nos últimos dados da Secretaria de Previdência do Ministério da Fazenda (SPREV), em 2017, foram registrados 9 mil afastamentos do trabalho por conta de transtornos comportamentais e de saúde mental. 

Por fim, em um levantamento feito pela Isma-BR, representante brasileira da International Stress Management Association, foi constatado que 9 em cada 10 brasileiros no mercado de trabalho apresentam sintomas de ansiedade — do grau mais leve ao incapacitante.

Todas essas informações causam preocupação às empresas, o que mostra o quão é importante que os profissionais de RH, juntamente com seus gestores, ofereçam suporte aos colaboradores em relação à saúde mental. 

É normal que um colaborador passe a maior parte do seu dia dentro da empresa. Então, por mais que fatores externos possam influenciar em sua saúde mental, o nível de satisfação com seu trabalho tem papel fundamental no equilíbrio emocional. 

O esgotamento aumenta as taxas de absenteísmo, presenteísmo e turnover, além de causar o crescimento dos gastos com saúde. Portanto, cuidar do equilíbrio mental do seu colaborador se torna um diferencial estratégico na sua empresa.

Por fim, o fato de evitar o esgotamento profissional em meio à pressão diária traz uma reflexão ao profissional de RH sobre a cultura e clima organizacional e se a estruturação da empresa acompanha as exigências do mundo moderno. 

O conteúdo foi útil? Se você quer aprofundar ainda mais nesse tema, não deixe de acessar nosso conteúdo sobre a importância da psicologia organizacional e seus objetivos!

3 1 vote
Article Rating


Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments