Dia Internacional da Mulher: a origem e sua importância

Tempo de leitura: 9 minutos

Está sem tempo para ler? Experimente ouvir a narração deste artigo. Aperte o play!

O Dia Internacional da Mulher, comemorado no dia 8 de março, é uma data muito importante do calendário mundial. É um momento de reflexão sobre a luta e as conquistas das mulheres, principalmente por igualdade e respeito ao longo da história. Mas, você sabe qual é a verdadeira origem dessa data?

Neste artigo, vamos falar sobre como surgiu a instituição desse marco, qual é a importância dele e, ainda, quais são as lutas que as mulheres travam nos dias atuais que não podem ser esquecidas ou ignoradas. Confira!

https://drive.google.com/file/d/1N-Hh7HWo8yWcyp0VtLm5Yk1qenYYebi-/view?usp=sharing

A origem do Dia Internacional da Mulher

O Dia Internacional da Mulher é comemorado em vários países no dia 8 de março. Apesar de, no Brasil, muitas pessoas acreditarem que a data está relacionada a um incêndio em uma fábrica de tecidos nos Estados Unidos, a verdadeira história é outra, um pouco diferente, como veremos a seguir.

Primeiros movimentos nos Estados Unidos e Europa

A primeira manifestação em relação às mulheres ocorreu em Nova York, no dia 26 de fevereiro de 1909. A passeata contou com cerca de 15 mil mulheres que protestaram por melhores condições de trabalho, que na época eram muito precárias e exploradoras. 

Em outubro do ano seguinte, em Copenhague, capital da Dinamarca, aconteceu a Segunda Conferência Internacional das Mulheres Socialistas, na qual a líder socialista alemã Clara Zetkin sugeriu que houvesse uma agenda anual de ações em prol das mulheres.

Até o momento, não havia uma data estabelecida, mas já em fevereiro do ano seguinte, 1911, diferentes manifestações foram iniciadas.  

Primeiro 8 de março

A partir de 1911, as manifestações começaram a acontecer anualmente em diferentes datas entre fevereiro e março, de acordo com cada país.

No dia 8 de março de 1917, um grupo de operárias saiu às ruas para protestarem contra a fome e contra a Primeira Guerra Mundial. Elas foram fortemente repreendidas e o episódio acabou dando início à Revolução Russa.

Desde então, o movimento internacional socialista adotou a data como o Dia internacional da Mulher e as comemorações e passaram a ser realizadas no mesmo dia em vários países.

Oficialização da data pela ONU

A ONU — Organização das Nações Unidas — declarou o ano de 1975 como o “Ano Internacional da Mulher” e, foi a partir desse ano que o 8 de março foi oficializado como Dia Internacional da Mulher.

Anualmente, homens e mulheres de todas as idades vão às ruas nessa data para manifestarem apoio às conquistas e para lutarem por mais direitos e respeito.

O incêndio na fábrica da Triangle Shirtwaist

No Brasil, houve uma crença de que o dia 8 de março seria referente a um incêndio ocorrido na fábrica de tecidos Triangle Shirtwaist, no ano de 1911. Apesar do fato ser verdadeiro e de muitas mulheres terem morrido nesse episódio, dois fatores são determinantes para que ele não seja o principal motivador da escolha da data.

O primeiro é que o incêndio ocorreu no dia 25 de março e não 8. O segundo é que movimentos anteriores já sinalizavam a movimentação das mulheres em relação à luta por melhores condições de trabalho e de igualdade de direitos, como mencionado anteriormente.

Outra corrente falava sobre um outro episódio ocorrido em 1857, em Nova York. Operárias de uma fábrica têxtil em greve teriam sido mortas em um incêndio criminoso por seus patrões. Contudo, não existe comprovação de que esse fato seja verídico, muito menos que tenha ocorrido no dia 8 de março.

A importância dessa data

Se você pensa que o Dia Internacional da Mulher é aquele dia do ano reservado para dar flores e chocolates para agradar as mulheres da sua vida, está muito enganado. Existem sim algumas ações legais para fazer nessa data.

Mas o dia 8 de março é, principalmente, um dia de muita luta e também um dia de lembrar e celebrar todas as vitórias conquistadas. Veja abaixo alguns pontos muito importantes sobre a data.

Luta por direitos iguais

Apesar de já estarmos no século XXI, muitas mulheres enfrentam dificuldades em ter direitos básicos garantidos ao redor do mundo. Desde casos mais extremos, como países árabes que imputam uma série de proibições às mulheres, inclusive do direito de ir e vir, até países mais liberais, como o Brasil, onde o machismo estrutural ainda dita muitas das regras vividas no dia a dia.

Por isso a data é tão importante, pois ela faz com que o mundo pare por um dia para ouvir o que as mulheres têm a dizer e, a cada pequena intervenção, as mudanças necessárias vão sendo implementadas na sociedade.

Ressignificação do papel da mulher na sociedade

Antes do feminismo, as mulheres eram submissas aos seus maridos e não tinham vários dos direitos que vemos hoje. Um exemplo disso é que até a Constituição Federal de 1988, as mulheres não tinham a igualdade de direitos assegurada por lei.

Nas primeiras décadas daquele século, elas precisavam de autorização do marido, registrada em cartório, para trabalhar.

Hoje, a mulher é empoderada, tem seu papel muito mais forte e presente na sociedade. São as principais fontes de sustentação de seus lares, são mais valorizadas por seus talentos e habilidades e sofrem menos preconceitos a cada dia. 

Celebração das conquistas

O dia 8 de março também é um dia para celebrar as conquistas, que sempre foram tão suadas. É um momento para lembrar que, por causa dessas manifestações, hoje elas podem votar e serem votadas, podem representar sua comunidade, podem ser independentes e terem suas carreiras próprias.

A data ajuda a valorizar tudo o que foi realizado por todas aquelas que foram às ruas nas décadas passadas, que acreditaram em um mundo melhor e mais justo e proporcionaram às mulheres de hoje, todos os direitos e acesso que podem usufruir.

Lembrete de que a luta ainda é necessária

Apesar de tantos avanços e mudanças, há muito ainda a ser feito. A nossa legislação prevê direitos e benefícios, mas na prática, ainda tem muita coisa sendo feita com base no machismo e na misoginia.

A cada Dia Internacional da Mulher, é preciso voltar às ruas e lembrar que a luta não terminou e que cada uma têm um papel fundamental nisso.

As lutas das mulheres atuais

No início do século XX, a luta das mulheres eram por direitos que hoje são básico, como uma jornada de trabalho justa, direito a escolher seus representantes na política e de se elegerem para representar outras mulheres. Hoje, essas batalhas já foram vencidas, mas outras ainda precisam ser guerreadas, como as abaixo.

Igualdade salarial

Quem não se lembra do protesto da jogadora de futebol Marta na Copa do Mundo de Futebol Feminino que aconteceu em 2019, na França. No mesmos jogo em que se consagrou a única jogadora de futebol do mundo a marcar gols em 5 mundiais, o que mais chamou a atenção foi seu protesto na comemoração. Na chuteira, em lugar de um patrocínio, um símbolo pela equidade de gênero no esporte.

Ela, eleita seis vezes a melhor jogadora do mundo, maior artilheira em Mundiais entre homens e mulheres, maior artilheira da Seleção Brasileira entre homens e mulheres, recusou o patrocínio porque o valor estava muito abaixo do que é praticado para atletas do mesmo nível do sexo masculino. 

Se, com tantos feitos e visibilidade, a Marta precisou se manifestar e dar um basta, imagine o quanto de mulheres não recebem salários inferiores que seus colegas que exercem a mesma função? É uma luta no mercado de trabalho que, infelizmente, precisa seguir firme.

Violência contra as mulheres

A violência contra a mulher está estampada na capa dos jornais diariamente. A Lei Maria da Penha é uma importante conquista, mas os agressores ainda existem e resistem. A grande maioria, maridos e companheiros que não aceitam o fim de uma relação ou que se sentem donos da mulher. 

Só em 2019, houve um aumento em mais de 7% na quantidade de feminicídios no país, sem falar nos casos de agressão física e sexual. O Dia da Mulher deve ser usado para ressaltar a importância da denúncia e para educar os homens desde novos para que eles não cometam tais crimes.

Feminismo negro

Outra corrente de luta social bastante relevante no Brasil é contra o racismo. Se as mulheres já sofrem diferentes tipos de preconceitos e estigmas, quando falamos das negras o problema se multiplica. 

A cor da pele e os traços étnicos são suficientes para serem classificadas como pessoas inferiores, criminosas e coisas similares. Além de lutarem por seus direitos como mulher, elas precisam lutar por seus direitos como seres humanos, como acesso à saúde, educação, alimentação e emprego.

Preconceito contra mulheres LGBTQIAP+

Por fim, precisamos falar do universo LGBTQIAP+. Uma sigla que engloba diferentes tipos de pessoas marginalizadas, das quais várias são mulheres. As lésbicas e trans são as que mais sofrem preconceito, por não se encaixarem no padrão tradicional da sociedade, que já mostrou que têm dificuldades em aceitar o diferente.

As ações do Dia Internacional da Mulher devem envolver todas as mulheres: lésbicas, trans, cis, brancas, negras, indígenas, ricas e pobres. Todas elas têm que ter os mesmo direitos garantidos, todas elas devem poder ser quem elas quiserem e sonharem ser. Por isso, não desperdice o dia 8 de março apenas com flores e chocolates.

Se você entendeu a importância da data e quer fazer algo de relevante em sua empresa, confira nossas sugestões de ações para o Dia Internacional das Mulheres.

Banner_Desenvolvimento_Profissional_de_Colaboradores_Por_Perfil
0 0 vote
Article Rating


Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments