Como inovar o RH da sua empresa

Tempo de leitura: 7 minutos

Muitos se perguntam: será que os recursos humanos apenas cresce à medida que o quadro de funcionários de uma empresa também cresce? Como é possível inovar o RH da minha empresa?

Tamanho não significa, necessariamente, número de pessoas, ou de salas, ou de estrutura. Quando falamos em crescer na área de RH lidamos principalmente com o conceito de influência nos outros setores.

Por décadas, o departamento pessoal não passou de mais do que uma espécie de cartório, no qual funcionários se registravam ou pediam baixa. Esse conceito está ultrapassado, atualmente gerir o capital humano tornou-se diferencial competitivo.

Mas calma, o caminho para crescer pode não ser fácil, mas passa por inovar o RH. Quer entender como? Acompanhe!

https://drive.google.com/file/d/1N-Hh7HWo8yWcyp0VtLm5Yk1qenYYebi-/view?usp=sharing

Por que a inovação gera crescimento?

Inovações do mundo de hoje visam, necessariamente, a produtividade. Milhares de tarefas sendo resumidas em algumas centenas, por meio de uma grande inovação, para depois serem reduzidas a algumas dezenas ou até mesmo a uma única ação.

Esse tipo de lógica gera uma espécie de crescimento em velocidades que gerações que vieram antes de nós sequer podiam imaginar. O ganho de produtividade conseguido em anos, durante a Revolução Industrial ou o advento da produção em massa, no início do século XX, são hoje conseguidos em dias, ou horas.

A informatização é o primeiro dos grandes responsáveis por esse salto, mas a inovação é o fator que faz a real diferença. Não que tenhamos mais ou menos gente talentosa ou inovadora nos dias de hoje – o que mudou, na verdade, foi a forma com que as empresas enxergam a inovação.

A inovação gera crescimento tornando tarefas dispendiosas e trabalhosas coisas mais simples e corriqueiras. Com isso, é possível gastar tempo e recursos em outras tarefas, e assim por diante. O RH não é diferente de qualquer outra área nesse aspecto.

Pense em termos de papelada e formulários: quanta burocracia foi extinta ou automatizada nos últimos anos, e o que isso permitiu em termos de produtividade e ganho de tempo para a criação de novas estratégias em recursos humanos?

O problema é que não podemos parar — é preciso continuar buscando inovações que gerem ainda mais tempo para que seu RH possa inovar mais ainda, cumprindo esse ciclo e crescendo em produtividade, novos processos e tarefas e principalmente em relevância e importância para a organização.

Como ter um crescimento contínuo?

É preciso seguir adiante e você tem duas frentes principais pelas quais pode criar inovações e simplificar processos e tarefas dentro de seu RH:

  • o talento;
  • a automatização.

Por vezes, um e outro caminharão juntos para criar alternativas inovadoras para seus atuais processos, outras vezes irão agir de forma separada. O fato é que para propiciar o aparecimento de inovações nessas duas frentes, é preciso investir e também permitir que esse potencial inovador decole.

A inovação com foco em talentos utiliza a liderança como ponto de partida para criar um ambiente inovador. O RH cria, desenvolve e contrata líderes que possuam uma mentalidade aberta, com conjuntos de competências que favoreçam a inovação e o crescimento.

Do lado da automatização, definem-se ferramentas para fomentar a inovação. Essas ferramentas estão, principalmente, na tecnologia que permite automatizar a comunicação e o relacionamento.

Inovações surgem a todo momento em todos os lugares, ainda que não as controlemos — saber que essas inovações podem ser utilizadas e fazer a diferença é a questão, e nesse aspecto, a comunicação é a chave.

Por detrás dessas duas frentes, finalmente, está uma cultura e uma mentalidade voltadas à inovação. Essa cultura, embora seja fácil simplesmente enunciá-la, precisa mostrar algumas características centrais:

  • tolerância em relação a erros;
  • democracia no acesso à informação;
  • horizontalidade;
  • colaboração;
  • aceitação em relação a mudanças;
  • pensamento transformador.

Qual o papel da tecnologia?

O mundo abraçou a tecnologia móvel e os dispositivos com acesso à internet. As pessoas não mais saem de casa sem celulares e aparelhos que as conectam 24 horas à rede. Negar tal tecnologia ou tentar tolher o acesso, além de gerar revolta e conflitos, significa abrir mão dos aspectos positivos que essas inovações são capazes de trazer para uma empresa.

Nos primórdios das redes sociais, e na verdade, até bem pouco tempo atrás, muitas empresas proibiam ou restringiam o acesso de funcionários a redes sociais, softwares e aplicativos de mensagens e até mesmo a contas de e-mail que não fossem as da empresa em si.

Isso mudou: as maiores empresas do mundo e certamente as mais inovadoras hoje tentam utilizar as vantagens desse quadro de funcionários permanentemente conectado a seu favor, ao invés de simplesmente fechar os olhos para uma tendência sobre a qual elas não têm controle.

Claro, vale lembrar que em nosso país, retrógrado e atrasado em termos legais, a utilização deve ser monitorada — uma pena. Um mal necessário, com base nas centenas de trabalhadores que ganham vantagens na justiça trabalhista ainda soba  alegação de que horas extras são cumpridas apenas por possuírem o contato ou perfil de seus chefes e empresas em aplicativos de mensagens, por exemplo. Entretanto, essa visão atrasada não irá perdurar — e sua empresa precisa sair na frente.

Como proporcionar uma experiência diferente?

Um RH inovador proporciona experiências para seus clientes — a própria empresa e seus funcionários, na maioria dos casos. Vivências diferentes, uma atuação mais próxima, sistemas e aplicações online para que dados e informações sejam acessados e uma gestão por competências e perfis comportamentais que gere um atendimento personalizado e único para cada um dos funcionários de uma mesma empresa.

O inovar o RH atende aos clientes — ele não mais é um balcão no qual os atendentes bufando atendem funcionários de má vontade, enquanto os mesmos esperam em uma fila única sem ar condicionado.

Você quer que seu departamento ganhe valor e importância dentro da empresa? Atenda seu cliente de forma memorável e crie para ele uma experiência positiva nas relações com você.

Quais os produtos oferecidos para a empresa?

O mesmo se aplica à direção e à administração da organização. O RH precisa criar produtos e pacotes que sejam entregues a essas pessoas. Foi-se o tempo de RH reativo.

Atualmente, é preciso produzir e entregar valor para a empresa e seus dirigentes na forma de produtos que gerem utilidade nos negócios:

  • relatórios objetivos e reveladores;
  • previsões e projeções visuais e simples de aplicar;
  • modelos matemáticos para gestão de funcionários;
  • treinamentos customizados com objetivos e metas claros;
  • análises financeiras e de geração de receita sobre ações de RH;
  • rotinas de retenção de talentos e desenvolvimento de liderança;
  • análises não apenas de funcionários, mais de comportamentos oriundos de fornecedores, concorrentes e mercado;
  • produtos que possam ser comercializados pela empresa eventualmente.

A inovação, como falamos, precisa resultar em execução — o produto é parada final dessa jornada, o ponto no qual a inovação se materializa e se torna algo palpável e plausível para a organização como um todo, não mais apenas uma ideia ou conceito pernicioso na mente de meia dúzia de profissionais de RH.

O crescimento de seu departamento e também de você como gestor agora dependerá do que você pode produzir e entregar — e tudo isso tem que possuir valor. Não, não é fácil, mas há bons caminhos que devem começar a ser seguidos.

Mas não fique esperando muito tempo. O mercado não aguarda aqueles que não querem com ele caminhar. Inovar no RH tornou-se uma exigência e fator de manutenção no mercado.

Quer entender como inovar no RH pode ajudar na retenção e atração de novos talentos? Entenda mais sobre a estratégia do employer branding!


Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of