Atração e seleção na era de cruzamento de dados

Tempo de leitura: 8 minutos

Dados e informações são a nova Meca em RH. Sistemas e bancos de dados hoje completamente vivos e na nuvem oferecem um novo paradigma para a seleção e até mesmo a atração de novos talentos em qualquer empresa. Muitos ainda desconfiam do potencial do cruzamento de dados para angariar novos profissionais, mas aqui separamos cerca de 15 boas razões para que você comece a pautar seus processos de recrutamento no big data e ferramentas baseadas em tecnologia da informação.

Eliminação de exceções

Mesmo em um processo de recrutamento e seleção muito bem desenhado, exceções tendem a aparecer: candidatos com o perfil errado ou desconexo, que surgem por imperfeições na hora da execução ou mesmo por emularem comportamentos e perfis. O big data e o cruzamento de dados tende a eliminar essas exceções, permitindo que toneladas de informações – virtualmente impossíveis de serem deturpadas em seu todo – estejam em favor do contratante na hora de analisar perfis e selecionar seus talentos.

Redução no turnover

Com todo o cruzamento de dados disponível, recrutadores podem analisar que tipo de condições e perfis ampliam a possibilidade de saída de um candidato ou empregado. Critérios podem ser revistos e analisados antes mesmo da contratação, reduzindo o número de funcionários que deixam uma empresa por não se adequarem às suas posições ou à filosofia da mesma.

Uma nova fronteira

O recrutamento e a seleção precisam seguir os padrões de comportamento humanos – e hoje eles estão migrando para a internet. Nesse meio, tradicionais métodos de recrutamento de talentos e de seleção de candidatos dão lugar, inevitavelmente, a procedimentos diferentes dos quais as pessoas e as empresas estão acostumadas.

https://drive.google.com/file/d/1N-Hh7HWo8yWcyp0VtLm5Yk1qenYYebi-/view?usp=sharing

Larga escala

Por vezes, uma empresa precisa buscar talentos em larga escala, por questões de expansão ou abertura de novas unidades, por exemplo. Sem o uso do big data e do cruzamento de dados, esse processo pode levar meses, senão anos, apenas para se chegar ao mínimo de candidatos adequados.

Redução de custos

Com a menor incidência de tarefas operacionais, já que muitas delas acabam absorvidas pelo cruzamento de dados em si, o RH é capaz de criar rotinas de seleção mais eficazes, mais abrangentes, mas ao mesmo tempo menos custosas.

Sim, o principal aspecto do big data que começou a atrair mais e mais empresas em todo o mundo não foi seu nível tecnológico ou facilidade – mas sim o modo com que ele é capaz de reduzir os custos, mesmo quando nítidas vantagens são conseguidas.

Análise preditiva

Esse é um conceito que já abordamos por aqui, e da maior importância na formulação de estratégias de negócios. Quando processos de recrutamento e seleção são feitos a partir do cruzamento de dados e uso de informações transientes, o processo de análise se torna muito mais fácil e rápido, e relatórios e previsões podem ser traçados com fidelidade e grau de confiabilidade muito maior.

A análise preditiva, em muitos aspectos, é uma das “filhas” do big data – e usá-la desde o estágio de atração de talentos é uma forma de alinhar ainda mais o RH aos objetivos estratégicos da empresa em longo prazo.

Análises internas

A busca de talentos com o uso do cruzamento de dados não apenas é algo possível em caráter externo – dentro da própria empresa ele pode ser usado como ferramenta para determinar possibilidades de promoção e sucessão.

Todos hoje em dia possuem contato frequente, senão 24 horas, com a internet, redes sociais e outros – o comportamento das pessoas é exibido na internet como em um espelho, todo o tempo. Funcionários também o fazem, em redes internas e externas, redes sociais e outros. A análise desses dados e seu cruzamento com índices empresariais como a performance, por exemplo, pode auxiliar na busca de novos talentos e lideranças dentro de uma organização.

Análise de risco

O risco é sempre algo inerente ao processo quando lidamos com recursos humanos. O cruzamento de dados pode encontrar talentos, mas também pode apontar riscos. E, muito embora determinadas vezes estejamos dispostos a corrê-los, sempre é melhor arriscar de forma calculada – e o cruzamento de dados permite essa possibilidade.

Imagine, por exemplo, poder estimar as chances de que um candidato venha a pedir aumento ou exigir uma promoção no horizonte de um ano… antes mesmo de ele ser contratado por sua empresa… fascinante, não é?

Segurança de dados

Mesmo lidando com infinitos candidatos e inúmeros dados, o meio digital e o cruzamento de bancos de dados oferecem segurança e sigilo no fluxo de informações. No método tradicional, notícias e documentos muitas vezes vazam, candidatos vêm preparados para entrevistas e rotinas, avisados por conhecidos que trabalhem internamente.

Estamos sujeito a fraudes, erros humanos, favorecimentos e até nepotismo – já o big data não faz favoritos. No meio do universo de dados e informações, todos são tratados de maneira democrática, e fórmulas matemáticas ocupam o lugar de preferências pessoais.

Múltiplos processos

Em geral, é difícil para um setor de RH manter processos de recrutamento distintos em áreas completamente diferentes, se ambos estiverem ocorrendo ao mesmo tempo. Com o cruzamento de dados e a tecnologia da informação, vários processos de seleção podem ocorrer em paralelo, já que todos usam as mesmas ferramentas e seguem uma mesma lógica.

O computador não diferencia estilos ou perfis de candidatos, ele apenas coleta e processa dados, seja de onde vierem. Isso cria uniformidade, unifica processos similares e permite que o RH gerencie quantas rotinas de recrutamento se fizerem necessárias.

Manutenção simples

Especialmente na área de recrutamento, o RH pode se valer de algoritmos e métricas exclusivos, mas os dados em si estão à disposição de qualquer maneira – não estão sendo gerados exclusivamente para o processo seletivo.

Com isso, não há custo para manter o banco de dados ou a coleta de informações, apenas um investimento, mais em termos de inteligência, na forma com que essas informações serão usadas e processadas.

Velocidade

Alguns processos de seleção que duravam meses ou trimestres em grandes companhias norte-americanas atualmente vêm sendo desenvolvidos em questão de semanas. Ganha-se velocidade, primeiramente, na própria organização do processo, e em seguida na fase de coleta de dados e triagem.

Como os candidatos finalmente selecionados para as etapas finais sofrem triagens anteriores totalmente informatizadas, processos iniciais dentro do recrutamento agora levam minutos ou mesmo segundos, contra meses que levavam anteriormente.

Tempo real

Como conseguíamos comparar um candidato que ouvimos na semana passada com alguém que está em nossa mesa agora. Antigamente, isso era praticamente impossível – e quando era feito, exigia a movimentação de prontuários, fichas e sua análise, algo que quebrava a lógica do recrutamento.

Atualmente, com o big data, é possível ao recrutador efetuar comparações entre candidatos enquanto está com eles à sua frente, em tempo real. Essa vantagem é capaz de eliminar diversos candidatos num piscar de olhos, e auxilia a encontrar competências de forma igualmente rápida.

Engajamento

Processos seletivos são, historicamente, uma experiência extraordinariamente passiva para candidatos e profissionais. Eles comparecem, se submetem a testes sem fim e têm muitas de suas qualidades e competências anuladas pela ansiedade de não saber, em momento algum, o que está ocorrendo exatamente.

O cruzamento de dados permite uma abordagem mais participativa aos candidatos, que podem assim acompanhar de maneira ativa seu processo de recrutamento, seu desempenho e auferir feedbacks imediatos. Isso melhora a motivação dos candidatos e não apaga ou esconde suas competências, ao contrário do que ocorria antigamente.

Benchmarking

O big data não esquece jamais – ele é capaz de criar pontos de referência, e partir deles avaliar milhares de variáveis para que esse ponto possa ser repetido no futuro. Todos nós já realizamos, em RH, contratações esplêndidas, sem que no entanto nos déssemos conta jamais do que fizemos de bom ou de ruim para chegar a esse excelente resultado.

O cruzamento de dados permite a você “revisitar” tudo aquilo que deu certo ou deu errado, em minúcias e efetuando infinitas comparações e análises, criando novos padrões, novas políticas e melhores práticas do processo de seleção.

Se você, após ler estas 15 razões, ainda acha que utilizar o cruzamento de dados e a inteligência digital para conseguir novos talentos para sua empresa é algo dispensável, talvez você esteja mesmo certo… tecnologia não é para você.

 

lider-inovacao-2


Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of